Blogs

 

Claves

 

Wenceslao Calvo

Matrimônio: uma marca de categoria

 
Matrimônio: uma marca de categoria
 
Todas as grandes marcas tem suas falsificações. Não podia ser de outra maneira com essa grande marca que se chama Matrimônio.

05 DE DEZEMBRO DE 2011

Ao viver em tempos tão confusos como os nossos precisamos ter conceitos claros acerca das grandes realidades da vida, de modo que possam nos servir de referência, igual que as estrelas no céu são para o caminhante ou navegante em uma noite sem lua.



Uma das confusões actuais tem a ver com o matrimônio, pelo que necessitamos luz que nos defina que é o que devemos pensar sobre tal estado. Encontro que tem uma pasagem na Bíblia esclarecedora a respeito e é a siguinte:



 'Honroso seja em todos o matrimônio e o feito sem mancha; mas aos fornicadores e aos adúlteros os julgará Deus .' ( Hebreus 13:4 )



Existem três grandes divisões que podemos fazer deste texto:



1.  Definição do matrimônio. 

2.  Retribuição do matrimônio. 

3.  Falsificação do matrimônio. 



1. Definição de matrimônio.

Uma das regras que vamos seguir para a interpretação de qualquer texto não é o que nós queremos ler nele mesmo, e sim o que o autor tinha em mente quando o escreveu. É evidente que o autor de Hebreus entende por matrimônio a união de um homem e uma mulher; se trata de uma dessas verdades auto-evidentes, mas que ficam confirmadas ainda por duas poderosas razões: o autor é membro de uma comunidade, a cristã, na que não se concebe outra forma de matrimônio; essa comunidade afunda suas raízes, a sua vez, em outra, a judia, na que o matrimônio é sempre algo relacionado com ambos sexos. À parte destas razões se pode acrescentar outra mais: vive em um tempo, em pleno Império romano, no que, apesar dos desvios e desordens morais de todo tipo que se davam, as leis civis somente sancionavam como matrimônio tal união e nenhuma mais.



Essa união entre homem e mulher não é uma união qualquer, e sim que se trata de um projeto de longo alcance. Tão de longo alcance que é vitalício, encontrando-nos com o que é o projeto de mais longo alcance que se possa ter nesta vida, quanto à duração se refere, já que nem sequer o da profissão é vitalício, pois conclui no momento da aposentadoria. Além do mais é um projeto multidimensional, pois o matrimônio comporta muitas facetas: emocional, física, econômica, espiritual, social, etc. De aí sua complexidade inerente. Por isso precisa de esforço, compromisso e designação.



2. Retribuição do matrimônio.

O matrimônio tem retribuição. Se trata de uma retribuição a priori, quer dizer, que começa já desde o primeiro instante em que duas pessoas se casam. Essa retribuição é auto-retribuição, ou seja, que a leva inerente em si mesmo, pelo que inclusive no caso de que outros se a negaram, entretanto a seguiria tendo. Por tanto, com o matrimônio ocorre como com todas as coisas verdadeiras e autênticas, que em si mesmo tem valor, independentemente de que desde fora se queira outorgar ou não.



Essa retribuição é dupla e consiste, em primeiro lugar, em uma posição de honra que esse estado conduz. Honra é um término que indica dignidade, reputação e nobreza, de modo que os cônjuges são participantes de tal posição. Se trata de uma posição recíproca, de um frente ao outro, que o marido deve estimar a sua esposa como portadora de tal honra e a esposa deve estimar a seu marido como portador do mesmo. Essa estimação recíproca se deve traduzir no trato mútuo. Porém além de ser uma posição de honra para dentro, essa honrabilidade também se expressa para fora, razão pela qual toda sociedade sana deve reconhecer a honrabilidade que o matrimônio tem.



Em segundo lugar, a retribuição consiste na aprovação moral que o ato sexual tem no matrimônio, como se expressa na frase 'leito sem mancha.' Estamos, pois, diante de algo que goza de limpeza e pureza congênita. A algo que tão facilmente se perverte e desordena, como é a sexualidade, aqui se põe um selo de aprovação absoluta. Não tem vestígio, nem suspeita, de algo indigno ou fora de lugar.



Essa honrabilidade e aprovação moral que o matrimônio possui é de alcance universal, não podendo negar-se em determinadas ocasiões, funções ou vocações. É por isso que uma pessoa que serve a Deus pode fazer estando casada, já que se o serviço a Deus é uma honra e o matrimônio é uma honra, o resultado total é uma dupla honra, não uma diminuição do mesmo.



3. Falsificação do matrimônio.

Tudo o que tem categoría e valor é suscetível de falsificação. Deste modo, se pode dizer que a falsificação não é senão o testemunho que, a seu pesar, o falso do verdadeiro, já que nada que não seja valioso é merecedor de ser falsificado.



Todas as grandes marcas tem suas falsificações. Não podia ser de outra maneira com essa grande marca que se chama Matrimônio. Uma falsificação da marca Matrimônio se chama fornicação, que consiste não em um projeto de longo alcance nem multidimensional, senão em um entretenimento ou capricho momentâneo unidimensional, porque tudo fica reduzido à gratificação física.



O adultério é, além de uma falsificação, uma agressão contra o matrimônio, já que supõe a irrupção de uma terceira parte em algo que é exclusivo de dois. É um terreno vedado que é ocupado, por meio do engano e traição, gerando destruição e ruína.



Assim como o matrimônio tem retribuição, também suas falsificações tem. Porém ¡que diferença entre uma e a outra! Ainda no caso de que a sociedade aprove ou seja indiferente às falsificações da marca Matrimônio, com tudo, as tais tem uma terrível retribuição. Retribuição que vem da parte do desenhador do matrimônio, a maneira do juízo de condenação sobre aqueles que as praticam.



Não tem, pois, equívocos possíveis, quanto ao matrimônio, salvo que nós queiramos nos equivocar. Mas esse é outro problema.
 

Autores: Wenceslao Calvo

©Protestante Digital 2014

 
 



 

 

Seu comentário

Deixe aqui seu comentário

Normas de uso

> Esta é a opinão dos internautas, não de Protestantedigital.com

> Não está permitido fazer comentarios contrários as leis brasileiras ou caluniosas.

> Reservado o direito de eliminar os comentários que consideremos fora do assunto.

 

TÉRMINOS Y CONDICIONES

1.- In order to be published Para poder ser publicadas, las Cartas se enviarán firmando con el nombre y los dos apellidos, y rellenando todos los campos marcados con asterisco.

2.- El contenido no podrá exceder un máximo de 1800 caracteres (~ 350 palabras, el gestor frena automáticamente una carta que se envíe con más caracteres).

3.- Si se publica, solo figurará el nombre y la firma del remitente, ningún otro dato personal.

4.- En las cartas que hagan alusiones personales o institucionales, sólo se admitirán aquellas que traten cuestiones o información del contenido publicado en Protestante Digital (nunca fuera de nuestro medio) y que tengan relación directa con el tema tratado en Protestante Digital.

5.- Dentro de las normas y la libertad de expresión, pedimos el máximo nivel de respeto y de educación en los términos y calificaciones, centrando las opiniones en las cuestiones ideológicas y el debate de posturas y dejando de lado aspectos personales o los juicios de valor.

6.- La publicación de la carta es independiente de que su contenido coincida o no con la Redacción de Protestante Digital.

7.- No se publicarán enlaces externos que se envíen como parte de la carta.

8.- Se valorará la calidad de la carta, especialmente una aportación diferente a las ya realizadas, de manera que no se publicarán cartas que reiteren exageradamente puntos de visto ya expuestos previamente, obvios, o de sobra conocidos. Se espera cierta creatividad, imaginación y originalidad en las aportaciones de los lectores.

9.- La aceptación de las cartas no es automática, sino previa valoración por el equipo de la Redacción de Protestante Digital, que puede aprobar su contenido, extractarlo eliminando aquello que no cumpla las presentes normas, o denegando su publicación (en cuyo caso no aparecerán publicadas). Intentamos que este periodo sea en general inferior a las 24 horas, y en todo caso menos de 72 horas.

10.- No se mantendrá correspondencia con los autores.

11.- Enviar la Carta confirma la aceptación total de estos términos y condiciones.

12.- Evidentemente, muchos (no todos) de los aspectos mencionados en estas normas tienen un componente subjetivo inevitable. Estamos convencidos de no acertar siempre en nuestros criterios, pero podemos asegurar que sí intentamos ser objetivos, justos y ecuánimes hasta donde nos es posible y somos conscientes.

 

Si nuestra actuación no es correcta a juicio de algún lector, le transmitimos nuestro pesar y les animamos a no dejar de manifestar sus opiniones intentando ceñirse al máximo a los términos y condiciones presentes.

 

Muchas gracias.

 

 

Cerrar